domingo, 15 de maio de 2016

O milagre do Espírito acontece todos os dias





Frequentemente são noticiados nos jornais e demais meios de comunicação reiterados casos envolvendo jovens que se perderam no caminho das drogas em decorrência do vício e das sequelas motivadas pela dependência química, sejam associados aos problemas de doenças ou associados às violências endêmicas. Alimentado pela chaga social da dependência química, que gera o vício (droga) mudam-se vidas, desenham-se por vezes em situações trágicas muitos dos destinos dos indivíduos e familiares que têm histórias de vida associadas com a realidade do consumo ou tráfico de drogas, que em grande medida são ceifadas vidas de jovens e adultos de diferentes camadas sociais por causa deste problema.

A vontade de se livrar do vício e da dependência química é o fator preponderante para representar o primeiro passo para um tratamento.  A iniciativa geralmente tem sido difícil e dolorosa para muitos, historicamente por não terem consciência da problemática em que se encontram, muitos continuam maculando seus corpos, gradativamente. São muitos os depoimentos de jovens em tratamento que diziam, “comecei com a bebida, quando ela não me satisfazia mais, procurei a maconha e depois o crack”. E em decorrência das substâncias químicas alucinógenas e psicoativas, seguramente o dependente não tem noção do problema que enfrenta, por vezes, colocando sua vida e de sua família em risco.

Porém, há meios de tratamento e de emancipação em decorrência do vício e de suas sequelas. Atualmente tem se convencionado pelo menos três modelos de internação para o tratamento de pessoas em situação de dependência química. Dentre as modalidades de tratamento apregoado pela Lei 10.216/2001, destaca-se o tratamento voluntário, cujo modelo é adotado pela Fazenda do Sol (instituição católica, localizada em Campina Grande-PB na está situada na BR 230, Km 143,5 - Santa Terezinha).

O indivíduo que almeja um tratamento por meio da internação voluntária tem a liberdade de realizar o primeiro passo para recuperação, mediante a vontade livre e consciente de buscar ajuda e o tratamento sem intervenção medicamentosa. Conforme propõe a filosofia do tratamento contra a dependência química na Fazenda do Sol, o interno delibera sobre seu tratamento, a sua escolha é respeitada, no momento que resolve renunciar o mundo e orientar-se pelos princípios que sustentam aquela instituição religiosa.

Nesta proposta de tratamento, as dimensões da convivência comunitária, da espiritualidade e da teoria ocupacional entre os co-adictos passa a representar critérios imprescindíveis para reconhecer com os outros, sua condição, suas limitações, seus sonhos e suas vontades de superar a condição de “homem velho”.

Na foto acima está registrada a imagem do Cristo crucificado e de sua (nossa) mãe, sob o título de Nossa Senhora do Carmo na capela localizada na Fazenda do Sol, lugar de agradável acolhimento e icônica beleza, refugio de peregrinos e adeptos da fé incondicional no milagre da vida. Uma cena que nos remonta a dimensão da espiritualidade, alimento imprescindível para condição humana. Neste dia festivo de Pentecostes, em que celebramos o Dom de Deus a todos os crentes, a doação dos dons pelo Espírito que dá vida, que renova, transforma e constrói a comunidade fazendo nascer o Homem Novo, é momento de recuperar o sentido do resgate e do nascer de novo. A Fazenda do Sol é lugar propício para cada pessoa humana que resolve fazer a experiência da abstinência e da recuperação, encontrar sentido para a vida, nutrir seu corpo e seu espírito de verdadeiro encontro com Deus e com os dons que só Ele nos dá.

Lembremos das palavras do apóstolo São Paulo na Primeira Epístola aos Coríntios (1 Cor 12,3b.7.13): “Ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor, a não ser pela ação do Espírito Santo. Em cada um se manifestam os dons do Espírito para o bem comum. [...] E a todos nos foi dado a beber um único Espírito.

No contexto da comunidade de Coríntios atuante e fervorosa na fé, também se encontrava difícil convivência e respeito à vivência do amor e da fraternidade em decorrência das divisões e dos interesses pessoais. O apóstolo Paulo alerta para o verdadeiro “carisma” que confessa Jesus como o Senhor e que é fundamental para o bem da comunidade.

É preciso que os membros da comunidade tenham consciência de que o tratamento passa pelo respeito às diversidades e a promoção da unidade, afinal cada interno nutre suas subjetividades, identidades, bem como seus medos, ansiedades e desejos mundanos. No ambiente de comunhão e experiências em prol da recuperação é momento oportuno para acolher os dons e virtudes de cada um, como nos ensina o apóstolo Paulo, apesar da diversidade de dons espirituais, é o mesmo Espírito que age nos membros da comunidade, mesmo diante da diversidade das funções, é Jesus que está presente em todos em meio à diversidade das práticas em prol da comunidade, é um único Deus que age em todos. Lembrando do tratamento dos adictos, são nas dimensões vivenciadas na Fazenda do Sol que a ação do Espírito Santo opera milagres todos os dias, cada um com seus dons, nutrem e vivenciam a experiência com os demais que estão em tratamento, que vêm de diferentes lugares sociais em busca de recuperação, oferecendo e partilhando seus dons uns com os outros pelo bem comum. 


O milagre de Pentecostes acontece na Fazenda do Sol a partir do resgate da vida, quando descobrem e nutrem os dons escondidos, por vezes imperceptivelmente, vivem os milagres na comunhão dos “dons” que recebem e não podem ser causa para conflitos e divisões, é o real sentido para servir ao bem comum e para reforçar a vivência comunitária. Neste sentido, os “homens velhos” carcomidos pela dor da dependência química são agraciados na fé e na coragem ao encontrar sentido para vida, tornando-os “Homens Novos” pela força do Espírito.